Questões

Cenas marcantes de filmes secretos,
Segredos de lugares inimagináveis,
Cenas doces que nunca serão esquecidas,
Doces amores que nunca serão vividos,
Promessas eternas que devem ser cumpridas,
Desejos que nunca serão concretizados,
Amores eternos ou apenas temporários,
Castigos que devem ser dados,
E missões que devem ser compridas.
E no final, ainda há alguma vida vivida?

Marcela

Conto do vento

Um texto de alguns meses atrás…

_________________________________________________________________

Vislumbro o futuro nas páginas dos livros que leio, sinto a dor dos amores, e a tristeza que cada amor eterno traz a alma das ingênuas mocinhas de contos de fantasia. Me enxergo na tristeza e no amor involuvel, inquebrável, incoerente e indestrutível. Os vislumbres dos contos de fada me deixam apaixonada por vários amores, e triste por vários motivos tolos, talvez não assim tão tolos, mas ainda sim, tolos. Me canso da dança de vida e morte, me canso da competição por uma mesma causa corriqueira, e que eventualmente torna minha vida o inferno que não pode ser descrito por palavras dessa lingua. O conto do vento, do tempo, me faz chorar pela sua falta, matar pela sua presença, e cortar minha alma por um pouco mais do seu amor.

Marcela Souza

Intenção

Eu o vejo em meu coração,
Passado ou futuro junto a você,
Eu te sinto, te sinto em todo o mundo
e também nos que já passaram.
Em nosso não, tem intenção.
Em escrever sobre as pessoas,
para as pessoas.
Não há não pra quem não sabe dizer não,
Não há força para os fracos,
más há fraquezas nos fortes.

Marcela.

Três Atos

Descobri-me em três atos,
De amor, de perdão e de razão.
Seguindo minha sintonia,
três cores já dispostas,
colorindo as palavras da absolvição,
mesmo porque, as duvidas,
as que descobri, não me acobertarão.
As tragédias já previstas, vividas e revistas,
não aqui mais retornarão.
Nossos desejos prevalecem,
aqui será e aqui estão,
meu desejos impudicos ou não,
que aqui estão, aqui estarão.
Em três atos de mim,
pensamento, desacato e razão.

Marcela.